top of page

Josef Fritzl (Áustria), predador da própria filha

Atualizado: 27 de nov. de 2023


Nem no inferno se encontra local para este "lixo". Predadores sexuais do mundo físico são os mesmo da 'internet', não se iludam".

Nota inicial - O objetivo único deste artigo é com base e registros de peças judiciais fontes confiáveis e jornalísticas para mostrar o perfil, a forma de agir de crime e o disfarce incluindo a sedução e manipulação dos predadores sexuais de crianças e traficantes de mulheres que jamais seriam suspeitas de tais práticas criminosas. Todos, sem exceções, são de altíssima renda, possuem atitudes de politicamente correto e se comportam bem na sociedade. Dentre eles os perfis de negócios e profissionais estão os CEO's, estelionatários da fé com alta rentabilidade, e executivos influentes no meio artístico e dos negócios.


A pesquisa foi feita com base na extensão de dados à vítima, perfil e modus operando do criminosos, neles o tempo de crime, reincidências natureza de crime sexual contra crianças e vulneráveis, os predadores sexuais em séries, incluindo os pedofílicos-psicopatas e traficantes de pessoas.


São mais de 30 históricas com o objetivo de abrir a mente para que menos pessoas caiam nessa armadilha de narrativas que queremos ouvir e aparência que desejamos ver.



Resumo do caso

Filha primogênita, vítima estupros constantes, sequestro, cárcere privado, tortura física e psicológica pelo próprio pela dentro de sua casa no porão por 24 anos pelo próprio gerando gerou 7 filhos. Os filhos foram vítimas das torturas, maus tatos e de abuso sexual visto que ele cometida contra Elizabeth também na frente delas.


Três dos filhos gerados foram colocados sequencialmente na frente da casa para que os avós as criassem.


A fim de atender a filha mais velha de 19 anos e levá-la ao hospital, Elizabeth carrega a filha até à entrada da casa e obrigada a retornar ao porão pelo agressor, e mesmo sob o relato a menina aos policias do cativeiro e maus tratos e polícia acredita na carta apresentada por Josef com a teoria de que Elizabeth tinha deixada a família.


Porém depois de novamente ter de ser tratada no hospital, Elizabeth conseguiu ter acesso ao hospital para tentar salvar a menina a pedido do médico e foi assim que ela relatou tudo à equipe. O cárcere durou 2008, sem vitamina D no corpo (indício de falta de luz solar) e com doenças relacionadas à complicações por incesto. Os plantonistas encontraram um bilhete no qual ela contava sua história e pedia ajuda no bolso da roupa da filha, então.


"...na quarta-feira eu dei uma aspirina e xarope para ela. Quinta-feira a tosse piorou. Sexta, o estado piorou ainda mais. Ela tem mordido os lábios, assim como a língua. Por favor, por favor ajudem-na! Kerstin tem medo de outras pessoas e nunca esteve em um hospital. Se tiver algum problema, por favor peça ajuda ao meu pai. Ele é a única pessoa que ela conhece..."


O médico de plantão, Albert Reiter ligou para a polícia, fez um apelo na TV e foi quando Elizabeth chega à clínica e a polícia já aguardava.


Testes de DNA confirmaram que ele é o pai de todos os seis filhos de Elisabeth. As crianças foram levadas para um abrigo e Elisabeth recebe tratamento médico e psicológico.


A planta do cárcere e a mansão que ficava logo acima, moradia oficial da família.


Obs.: Se alguém lhe contasse que esta mansão de 10 milhões de euros, e um engenheiro bem sucedido em várias empresas, pai de família casado há mais de 40 anos com a mesma mulher , encarcerou e estuprou a sua filha por 24 anos debaixo desta mansão, você acreditaria?



Investigação e deflagração

Estando em internação um dos filhos apresentou a pele branca acaveirada, o dente cariados e com uma doença associada à incestos.


Josef não gostava de visita e deixava os amigos afastado de casa o e melhor amigo da casa (Documentário Odisseia - Portugal).


Quanto a perícia no porão, os peritos faziam paradas devido a falta de ar no cativeiro de 60 m2 e 1,70 m de altura.


A casa possuía buracos, era insalubre ao extremo, tinha lixos por todo o lado, um odo horrível e fezes esmagadas na parede.



"Modus Operandi"

O plano - Início dos anos 80 a obra o cárcere e finalizou em 1984 com portas de concreto totalizando 7 portas e diz ter feito o possível para tornar o cativeiro confortável, sem janelas, sem ar e sem luz solar. Desenhou e construiu sozinho o cativeiro e somente ele possuía o código e acesso.


O cativeiro foi feito no porão da casa avaliada em 10 milhões de euros, a mansão de três andares em ele vivia.


*Construiu outro porão secreto numa pousada que ele construíra, mas o caso não foi investigado.


Execução e início do crime continuado - Após finalizar a sua o obra, em 1984 quando a atraiu para o porão, a dopou e trancou lá por 24 anos. Por 2 anos ele a deixou acorrentada aumentando a corrente de forma gradativa e posteriormente os abusos. Elizabeth recebia apenas comida.


Para simular que a filha havia fugido ele a obrigou a escrever e também ele mesmo fez uma ligação para Rosimerie imitando a voz e Elizabeth. Rosemerie estranhou o numero deles ser acessado por Elizabeth, mesmo não sendo listado e novo, mas não teve reação.


Diante dos estupros sequenciais, 3 dos filhos foram deixados na frente da mansão da família acompanhadas das cartas pedindo para cuidar das crianças de e assim ele forma sequencial. Um deles faleceu por vontade própria de Josef para não ter que levar ao hospital e depois foi incinerado pelo pai na residência. Uma das crianças chorava demais (fazendo barulho), e este foi um dos motivos da entrega a avó.


Elizabeth e os filhos passaram por torturas, abuso sexual por ver a mãe, Elizaberth, ser estuprada, como frio intenso, calor sufocante, medo do abandono, medo de morrer sem mantimentos, omissão de saúde e educação.


Sob o pedido de um local maior das crianças, ele respondia que eles que providenciassem, levando as crianças a cavarem no chão crendo que aumentariam o local para viverem melhor, tamanho atrocidade deste homem.


O controle do acesso ao cativeiro - Através de ameaça de lançamento de gás, choque elétrico nenhum dos encarcerados se atrevia a se aproximar da porta. a justificativa para não ser questionado sobre a porta que dava acesso é que aquele local era o seu local de trabalho e que ele não gostava de ser importunado.


A perversidade ele também aparecia quando ele mostrava as fotos da família de cima para Elizabeth e para os filhos, tamanha a maldade. A família encarcerada passou necessidades em viagens de Josef.



Perfil avaliado do predador-criminoso

Josef Fritzl - Segundo avaliação psiquiátrica, possui condições mentais de ser julgado, total lucidez mesmo sofrendo de um "profundo distúrbio de personalidade". O resumo do seu histórico de crimes são de estupro, tentativa de homicídio, violência física, coação, fraude de documentos, sequestro, cárcere privado, estupro, homicídio de bebê por omissão de socorro e escravidão.


Histórico familiar e criminal - Filho único e abandonado pelo pai (morto posteriormente em Guerra - 1944), ele cresceu sendo criado apenas pela mãe. O avô de Josef teve três filhos com a empregada (extra conjugais) devido ao fato da avó não pode ter filhos, e em função disto ele era insultado na escola pela mãe não ser filha da própria avó e sim da empregada e sim com o pai.


A mãe era com total ausência de afeto, dura, severa, o agredia fisicamente com surras constantes, só se vestia com roupas escuras e não permitia visita dos amigos em casa e nunca teve uma expressão agradável, mas sim "admirada por Josef".


Josef sempre foi bom aluno chegando a ser citado pelos professores como "brilhante e um dos melhores da escola". Na adolescência, após estudar cada passo da vida e rotina de uma enfermeira, ele a estuprou dentro de sua casa ao lado do quarto de seu filho "recém nascido" mediante violência e grave ameaça com uma faca. Julgado e sentenciado, cumpriu pena de 18 meses.


Em outra época tentou estuprar uma mulher nas proximidades da região que morava, mas não teve sucesso e chegou a agredi-la fisicamente (Odissea - Portugal).


Aos vinte e um anos de idade se casou com Rosemarie Fritzl, com quem teve sete filhos, da mesma forma que Elizabeth. Rosemarie era obrigada a esposa a trabalhar para ele em casa, senão não teria nada e a ameaçava a trancar dentro de casa deixando-a com medo sempre e cheia de temor por si e pelos filhos (Odissea - Portugal).


No ano de 1982 supostamente ele pôs fogo numa pensão, e foi preso, mas acabou sendo liberado por insuficiência de provas.


Com a sua mãe, ele, conforme narrativa ao seu psiquiatra "devolveu à sua mãe" os abusos que recebeu conforme relato acima até sua morte em 1980, trancando ela num local na mansão até a sua morte.


Das atrocidades contra Elizabeth, estão além do estupro, sequestro, torturas físicas e psicológicas, coação de ficar sem alimentos, sem energia sob a negação do sexo.


Rosemarie Fritz (mãe de Elizabeth) - era tranquila, mas abusada na infância com violência e teve apenas Josef como homem na vida.



Algumas frases de Josef em depoimento:

"Cresci na era nazista e rigor e disciplina eram muito importantes..." "...inconscientemente absorvi algumas dessas coisas, o que é normal".

O depósito da minha casa pertencia a mim e somente a mim, era o meu reino".

"Não sou esse monstro que a mídia pinta".

"Acho que, visto de fora, eu também pensaria que sou um monstro".

"Eu sabia que Elisabeth não queria, que estava machucando a minha filha. Mas o desejo de provar a fruta proibida era forte demais. Era como um vício".



O perfil da vítima - Elizabeth Fritzl

Nascida em 1966 aos 11 anos Elizabeth começou a ser abusada pelo pai e após estupros sequenciais ela foge de casa para morar com uma amiga em Viena, mas é trazida de volta pela polícia à casa de seus pais.


Era tímida, acanhada, como se tivesse medo, intocável, apanhava demais, era perseguida pelo pai (estuprador) perseguia com armas, ele não gostava dela (depoimento da tia em Odissea - Portugal).


Quando foi encarcerada, Elizabeth batia nas paredes e arranhava o teto chegando a quebrara as unhas a ponto de sangrar os dedos.



Julgamento e condenação

Josef foi julgado e sentenciado por sequestro, estupro, incesto, escravidão e "homicídio por omissão de socorro". O "monstro psicopata da Áustria alegou que a aprisionou para libertá-la das drogas e criminalidade e após assistir onde horas de depoimento da filha, ele confessou os crimes.


Os jurados tinham paradas devido a densidade e peso dos depoimentos de Elizabeth e tinham também uma "equipe de jurados opcionais", para a desistência de alguns, devido ao absurdo do caso.



Psiquiatra Forense austríaco Reinhard Haller


Atualmente o psiquiatra austríaco Reinhard Haller é quem cuida da família Fritzl. Reinhard Haller é um médico psiquiatra; perito judicial psiquiátrico forense; psicoterapeuta e autor de não-ficção. Completou a sua formação em psiquiatria, neurologia e psicoterapia; se habilitou na Universidade de Innsbruck no tema "distúrbios mentais e crime" e foi nomeado médico-chefe da Fundação Maria Ebene, o centro de tratamento de Vorarlberg para viciados.


Entre outras coisas, ele escreveu pareceres sobre os casos do assassino sexual Jack Unterweger, o homem-bomba Franz Fuchs, a matança de Winnenden, a matança de Graz e o ataque com faca na clínica psiquiátrica-psicoterapêutica de BH Dornbirn com foco em vícios , e as estações de droga associadas "Carina" e "Lukasfeld", bem como os centros de aconselhamento "Clean".


Foi comissário de drogas do governo do estado de Vorarlberg; organizou o estabelecimento e o desenvolvimento da rede abrangente de cuidados de dependência em Vorarlberg; Haller dirigiu o University Institute for Addiction Research na Psychiatric University Clinic em Innsbruck; foi professor visitante na Universidade de Klagenfurt; é presidente da New Criminological Society; e dentre absurdas entidades e sociedade que faz parte.



O cachorro investigador

Um dos cachorros da casa latia constantemente no quintal da casa apontando para baixo (na terra) e cavar apontado algo abaixo da terra.



O policial herói e corajoso


O policial Leopold Etz, polícia local da Áustria merece o nosso respeito pelo empenho em solucionar o caso, mas prefere não dar entrevistas.


O Investigador de assassinatos do Departamento de Polícia Criminal do Estado da Baixa Áustria por décadas se aposentou em 2018 com 36 anos de carreira. Por 17 anos foi chefe do esquadrão de homicídios.


Leopold afirma ter visto muito sangue, sofrimento, tragédia e brutalidade: "_ Você tem que manter uma certa distância de tudo isso, caso contrário, você não pode fazer bem o seu trabalho", e completa quanto ao trabalho _"conversar com testemunhas era particularmente importante, mas hoje você também pode acessar sistemas de alta tecnologia. “Existem bancos de dados internacionais que permitem comparações de DNA, garantir evidências simplesmente se tornou extremamente importante”.



O médico íntegro e responsável


Dr. Berthold Kepplinger é diretor-médico da Policlínica Provincial da Baixa Áustria e responsável pela recuperação da família de Elizabeth e filhos.


Sobre o reencontro com a família “Eles se reencontraram no domingo de manhã e foi impressionante como foi fácil pôr as crianças juntas. As crianças estão bastante bem”.



Querida (ex-) Elizabeth

Faço questão de colocar a foto de Elizabeth, hoje com outro nome e sobrenome porque ela sim merece ser lembrada pela dignidade, e força de caráter que teve nesse anos todos, eu sinto muito pela ausência de mãe e TODA a família que ela nunca teve, pois foi ouvida apenas quando escreveu um bilhete num cativeiro por médicos e policiais.


Atualmente está numa relação estável e junto dos filhos numa ilha chamada de "Ilha X", um local com pouca população e no qual é muito bem tratada e se recupera na forma que dá.



Perguntas que não querem calar

Por que a família que conhecia a forma de agir e tratar as pessoas não inspecionou a casa?


Por que a polícia local ainda acreditou na narrativa de carta após a primeira denúncia clara do encarcerado no hospital semanas antes da descoberta cabal?


Por que o cachorro que latia constantemente no quintal da casa e cavar apontado algo abaixo da terra não foi acreditado?



Como Especialista percebo que, para "variar" Elizabeth nunca foi ouvida desde que nasceu, incluindo a sua mãe. e a polícia local foi falha mediante tantas incidências, fatos estranhos e históricos criminal e perfil do criminoso. a omissão foi o fator crucial deste fator, esta é a minha opinião. a monstruosidade que configuro com a burrice, omissão, cinismo eu imputo em que esta próxima e não fez absolutamente nada incluindo a polícia que recebeu denúncia e não fez nada.


O consultor e diretor da Sociedade Austríaca de Marketing Wolfgang Bachmayer, afirma sobre estes e outros casos: "Esses incidentes não mudaram a percepção das pessoas a respeito dos cidadãos do país como pessoas amigáveis e charmosas".


A mãe pouco se importava com a garota, independente de medo, pois conheço mães que suspendem até portão automático e chegam a matar o companheiro para salvar filhos. Nada justifica, nada.


Para variar mais ainda, o abusador abusa perto ou próximo de conhecidos e da família e neste caso não foge à regra. Os inquilinos de Josef estavam acima de Elizabeth.


Essa menina foi abusada pelo avô, pela avó, pela guerra, pela omissão da mãe e pelo lixo de pai que escolheu ser para a filha, independente de abusos, a escolha foi dele.



Saudações Forenses e Criminalísticas.




Referências:


https://www.bbc.com/portuguese/noticias/2014/06/140626_savile_abusos_fl

https://www.youtube.com/watch?v=2JiJhTqhqB

https://www.youtube.com/watch?v=C1NP7gJ7PHs

https://www1.folha.uol.com.br/fsp/mais/fs2203200906.htm

https://vladimiraras.blog/2011/02/05/enjauladas-as-casas-prisoes

https://www.bbc.com/portuguese/noticias/2014/06/140626_savile_abusos_fl

https://www.bbc.com/portuguese/noticias/2009/03/090318_cronologiafritzl

https://www1.folha.uol.com.br/fsp/mundo/ft1005200820.htm

https://www.bbc.com/portuguese/internacional-61933145

https://www1.folha.uol.com.br/fsp/mundo/ft1005200820.htm

https://mysteriesrunsolved.com/pt/2020/10/josef-fritzl-elisabeth-fritzl.html

https://extra.globo.com/noticias/mundo/elisabeth-escondeu-bilhete-na-roupa-da-filha-doente-leia-carta-encontrada-pelo-hospital-504382.html

https://www.bbc.com/portuguese/noticias/2009/03/090318_cronologiafritzl

https://exame.com/casual/quem-e-jeffrey-epstein-suposto-motivo-do-divorcio-de-melinda-e-bill-gates

https://www.uol.com.br/universa/colunas/2021/04/17/casos-samuel-e-saul-klein-violencia-de-genero-tambem-se-aprende-em-casa.htm

https://apublica.org/2021/04/as-acusacoes-nao-reveladas-de-crimes-sexuais-de-samuel-klein-fundador-da-casas-bahia/

https://www.bbc.com/portuguese/internacional-61933145

https://canalcienciascriminais.jusbrasil.com.br/artigos/511506954/josef-fritzl-o-monstro-de-amstetten

https://g1.globo.com/Noticias/Mundo/0,,MUL446294-5602,00-VEJA+COMO+ERA+A+CASA+DO+TERROR+NA+AUSTRIA.html

https://g1.globo.com/Noticias/Mundo/0,,MUL450448-5602,00-AUSTRIACO+IMITOU+VOZ+DE+FILHA+EM+TELEFONEMA+PARA+A+MULHER.html

https://g1.globo.com/Noticias/Mundo/0,,MUL450522-5602,00-AUSTRIACO+QUE+TRANCOU+FILHA+POR+ANOS+AMEACOU+MATAR+FAMILIA+COM+GAS.html

https://www.youtube.com/watch?v=qUmpkctKzfU

https://extra.globo.com/noticias/mundo/elisabeth-escondeu-bilhete-na-roupa-da-filha-doente-leia-carta-encontrada-pelo-hospital-504382.html



monstro da argentina

https://observador.pt/2018/01/17/do-monstro-de-amstetten-a-menina-da-cave-outras-tres-casas-do-terror-mediaticas/

Comentarios


Los comentarios se han desactivado.
bottom of page